terça-feira, 8 de dezembro de 2020

Bolo dos Noivos e o "ingrediente secreto"

4 anos de Meia Malga e o último Bolo dos Noivos - IX

Dia 23 de Outubro, Meia Malga fez 4 anos! 
O tempo voa e, ao mesmo tempo, parece que foi há tanto tempo. Apesar de não ter publicado um post no dia de aniversário, é preciso sempre festejar... e festeja-se com quê? Com um bolo, claro! 
É a última das receitas dos Bolos dos Noivos. Para quem não está aqui desde o início, convém espreitar o primeiro post
Este bolo é muito especial, absolutamente maravilhoso e com um ingrediente secreto.
Foi este o Bolo que os Noivos escolheram para ficar à sua frente, na mesa. É o bolo preferido do meu irmão e a minha cunhada adora.









































É a receita da Torta de Noz. Torta de Noz, aquele bolo que está em todas as ementas dos restaurantes tradicionais. 
Não sei como é agora mas, nos idos anos 70 / 80, esta receita estava no segredo dos Deuses. Guardada a "sete chaves". 
Quando eu era pequenina, costumávamos frequentar um restaurante no Porto - sobretudo nos jantares de domingo - e pedíamos sempre a Torta de Noz para sobremesa. A minha mãe pedia sempre a receita à proprietária do restaurante. Apesar de termos uma relação muito próxima, quase de amizade, nunca atendia ao pedido. "Não posso. Já sabe... é segredo! Assim vem cá mais vezes comer!" Foi sempre assim, até um dia... e, finalmente, ouvimos: "Está bem! Vamos lá! Pegue lá numa caneta e num papel".
Bendita caneta, bendito papel e bendita receita. 
Em todos os aniversários ou festas de família, estava lá este bolo. Com imensas variantes na decoração. Curioso é que foram poucas as vezes, que tinha a decoração igual à da Torta de Noz. Curioso também é que este bolo não leva noz na receita. Só na decoração tradicional.
Estou curiosa para saber se vocês vão comentar e dizer que todos tinham esta receita e não era segredo para ninguém...




Ingredientes
Bolo:
8 ovos
280g açúcar (a receita original diz 350 gr mas eu corto sempre no açúcar - por vezes, até coloco uma quantidade inferior... vão experimentando)
175g de farinha super fina Branca de Neve
1 colher de sobremesa de fermento Royal
1 lata de Sumol de Ananás (sim, é este o ingrediente secreto!!!)

Cobertura:
2 pacotes de natas frescas Longa Vida da Nestlé 
4 colheres de sopa de açúcar

Receita
*Separar as gemas das claras. 
*Bater as claras em castelo bem firme e reservar (longe de luz ou fonte de calor). 
*Bater as gemas com o açúcar (já sabem - sempre 10 minutos). Envolver a farinha - previamente misturada com o fermento - nesta massa. Relembro o significado de "envolver". Mão firme aqui porque a massa vai ficar um pouco dura.
*De seguida, acrescentar a esta massa (e não o contrário) as claras previamente batidas em castelo. Não envolver todas de uma vez. Envolver lentamente com muita suavidade para não perder o ar. Vão ficar com o braço a doer. Quando a massa estiver toda homogénea e com a mesma cor, está pronta.
*Separar a massa em duas partes iguais e colocar em duas formas redondas, previamente untadas com manteiga e polvilhadas com farinha. Podem usar uma forma de cerca de 20 cm.
Se fizerem o bolo para uma festa, dobrem a receita porque, acreditem, não vai sobrar migalha.
*Colocar no forno (previamente aquecido) a 180º, cerca de meia hora. Já sabem, muito cuidado com a temperatura e o tempo. Depende sempre de forno para forno. Vigiar sempre e fazer o teste do palito. Este bolo deve ficar douradinho claro e não escuro.
*Retirar e desenformar em dois pratos nos quais, previamente, colocaram uma folha de papel vegetal - para que a crosta do bolo não fique agarrada a esse prato.
Deixar arrefecer. Não estranhem... o bolo vai abater e diminuir um pouco. 

*Bater as Natas Frescas com o açúcar. Quando estiverem firmes, colocar no frigorifico. 

Montagem e Decoração:
*Furar com um garfo toda a superfície dos dois bolos. Regar com Sumol de Ananás. É isto mesmo! Com os dedos, evitar que o Sumol saia para as bordas do bolo. Regar bem. Confesso que, a maior parte das vezes, uso um pouco mais que uma lata de Sumol. Quanto mais fizerem este bolo, vão começar a sentir e ajustar a receita ao vosso gosto mas é importante que fique molhadinho. 
Este segredo é a chave do sucesso do bolo - não inventem. Só Sumol de Ananás (não estou a receber nenhum patrocínio). Em primeiro lugar, porque Sumol de Ananás é único e não há nada que o substitua e, por outro lado, a receita não fica bem com outro sumo similar. 
*Após regar os bolos, colocar uma camada no prato onde vão servir o bolo. Cobrir a superfície com as natas batidas. Colocar a outra camada e cobrir a superfície e todo o bolo com as natas batidas. 
*Enfeitar a gosto - com frutos vermelhos, com fios de ovos, outra fruta, com as nozes e as raspas de chocolate como manda a tradição, com ananás, com flores, folhas, lavanda... o que quiserem.
*Colocar no frigorífico umas horas antes de servir.

Acreditem!!! Vão querer fazer este bolo muitas vezes. Parecem muitos passos mas é mesmo muito simples e fácil. Toca a experimentar e, depois da primeira vez, vão querer fazer imensas vezes.
A bebida que acompanha este bolo é a "Sangria do meu irmão" que, em breve, partilho. O padrão do tecido às bolinhas foi o mote do casamento - estava nos convites, nos pormenores das meninas das alianças, entre outras coisas e, claro, tinha de estar aqui.





















Agora, uma outra partilha... Esta receita estava para ser publicada em Março. As fotografias deste bolo foram tiradas, nesse mês, para o aniversário da minha sobrinha, fruto do Casamento. 
Esta festa de aniversário foi o último grande evento familiar antes do confinamento por força da pandemia. Um dia depois da festa, eu vim para casa trabalhar e, aos poucos, praticamente todo o país ficou em casa. 
Tantas saudades de estarmos todos juntos. 
Não é a mesma coisa fazermos vídeo chamadas. Não é a mesma coisa, encontrarmo-nos em grupos mais pequenos (com máscara ou no exterior). E, definitivamente, não é a mesma coisa não estarmos todos sentados à volta de uma mesa, durante horas, a comer, conversar, rir, discutir, beber ou só estar. 
 
Somos uma família (e acho que somos um país) que gosta de viver, conviver, estar à volta da comida. Gosta dos risos, gosta de uma boa mesa, gosta de receber, gosta de estar com pessoas, gosta da presença uns dos outros... e, de repente, ficamos sem isso. Mas havemos de voltar. Vai demorar mas vamos voltar. Quando voltarmos, retomaremos as tradições, matamos todas as saudades e, com toda a certeza, vamos saborear - mais ainda - esses momentos porque, quando nos apercebemos que nada é certo, passamos a viver os momentos com mais intensidade e maior gratidão. 
Entretanto... Protejam-se. Mantenham-se em segurança. Cuidem de vocês e cuidem dos outros.





















Assim, comemoro os 4 anos de Meia Malga.
Assim, termino a partilha dos Bolos dos Noivos. 
Que prazer enorme ter feito os Bolos para aquele casamento. 
Que aventura foi aquela. 
Que dia espectacular foi aquele. 
Que bom ter partilhado todas as receitas com vocês. 

Fiquem por aí. 

Um grande beijinho.






Sem comentários:

Enviar um comentário